O primeiro de 2017

janeiro 02, 2017

Quase apaguei todas as publicações deste blogue mas decidi simplesmente ignorar que estive por fora estas últimas semanas e fazer valer a promessa de voltar com força para cá. Porque tenho muito para escrever, muito para vazar desta minha mente. 

Os últimos meses foram difíceis e, no segundo dia do ano novo, não é que note muita diferença mas a esperança é sempre renovada após as 12 baladas no primeiro dia do ano. Comi 12 uvas - com bastante esforço porque não gosto tanto assim de uvas e uva passa nem vê-las - porque, mesmo que não acredite muito nessas tretas de desejos, a verdade é que manter a tradição não aleija. Pedi aquelas coisas básicas que todo o ser humano pede: paz, amor, trabalho, saúde e depois permiti-me a algumas coisas mais fúteis como ter muito dinheiro para poder viajar muito este ano, por exemplo. Quem sabe não se realiza?

Embora já comece mal em termos de "saúde" pois estou super resfriada e agarrada ao spray nasal como se fosse fonte de vida, a verdade é que (até nova actualização) voltei a alimentar-me melhor e não larguei os óculos da cara porque quero cuidar muito bem dos meus olhos este ano - estes que são míopes. 

Pronto. É um recomeço arrastado por "estas bandas" mas sempre é melhor do que nada. 

1 comentário:

  1. Espero que já estejas melhor!

    Eu também não acredito, mas a verdade é que a tradição mantém-se. Também pedi os meus desejos :D

    ResponderEliminar

Deixa-me a tua opinião. É muito importante para mim.